© 2016 por Wanderson Miranda de Almeida. Proudly created with WIX.COM

Eles preferiam os porcos

 

A questão da preferência está em pauta. Sei que poderia falar de outras coisas, mas a preferência é um assunto interessante, então, prefiro falar sobre ela.

Você já deve ter ouvido aquela famosa frase que diz que “gosto não se discute”, mas, em alguns momentos, me questiono sobre a realidade disso. Está certo que nós, seres humanos, somos diferentes, pensamos de forma diferente, agimos de forma diferente... eu sei, mas em dados momentos nossa preferência vem mostrar nosso caráter (se é que ele existe), nossa visão e, além de outros aspectos, nossa intimidade com Deus.

Em Lucas 8.26-39 encontramos a história do endemoninhado gadareno. Sinceramente, não me lembro de alguém ter usado esse texto para pregar sobre “preferências”, mas é isso que quero ressaltar.

Jesus, um dia, entra na cidade de Gadara e um homem, possesso de demônios vem ao encontro dele. O Mestre, que sempre demonstrou sua preocupação com o sofrimento humano, ordena que os demônios  saiam daquele homem. Os demônios saíram daquele homem e foram para os porcos, com permissão de Jesus. A manada se precipita de um despenhadeiro em um lago e afoga-se. As pessoas que viram todo o ocorrido, vão para a cidade e contam tudo. Os que vieram ver, ficam possuídos de temor e pedem que Jesus se retire dali.

Tudo bem, o texto fala que eles pedem a Jesus para se retirar por causa do medo, afinal, que poder era aquele? Como alguém poderia curar um endemoninhado dessa forma? Como alguém poderia restaurar a vida de um homem que não tinha casa e andava nu, parecendo um animal? Isso causa medo, com certeza!!!

Mas quero que você pense em outra coisa: por que eles não fizeram outra escolha? Por que eles não pediram para Jesus continuar por ali com eles? Por que eles não quiseram conhecer mais sobre esse homem que tem todo poder?  Por que o texto não diz sobre a felicidade deles pela cura do endemoninhado? Talvez, porque eles preferiam os porcos. Sim, afinal, as pessoas não pensam do mesmo modo, não é? Houve um grande prejuízo material ali. Muitos porcos morreram e isso, certamente, doeu no coração de alguém. As pessoas não são tão importantes, não é? Pelo menos, aquele homem que foi restaurado por Jesus não pareceu ser importante nessa situação.

Querido, qual tem sido seu critério na hora de fazer escolhas? O que te motiva a escolher a opção A ou a opção B? Temos que fazer escolhas a todo instante e, cá entre nós, muitas vezes escolhemos mal, baseados em interesses egoístas, mesquinhos, pensando em nós mesmos e não nos preocupamos com o que pode acontecer com nossos amigos, nossa família, nossos vizinhos, nossa igreja... Muitas vezes, nossas escolhas são para satisfazer nosso ego, nosso “eu” e isso demonstra quanta podridão há dentro de nós.

Pensando de forma cristã, aquelas pessoas poderiam ter voltado seus olhos para aquele homem e ter se alegrado com ele. “Alegrai-vos com os que se alegram...”. Mas o texto não diz que fizeram isso. Em nenhum momento eles demonstram alegria pela cura daquele homem. Eu não quero ser assim. Quero olhar com os olhos de Deus, quero ter os valores que Deus tem e, na hora de escolher, quero escolher direcionado pelo Espírito Santo. Prefiro assim.

Os gadarenos preferiam os porcos. E você?

 

Wanderson Miranda de Almeida.