© 2016 por Wanderson Miranda de Almeida. Proudly created with WIX.COM

Olhar humano x Olhar divino

 

Se duas pessoas não veem da mesma forma, imagine comparar o olhar humano com o olhar de Deus. O olhar humano é limitadíssimo diante da perfeição do olhar divino. Vamos dar uma olhada em quatro diferenças desses olhares?

O olhar humano julga pelo exterior; enquanto o olhar divino, o interior. Deus deu uma ordem a Samuel para que ele fosse a Jessé e ungisse um dos seus filhos como rei de Israel. Samuel foi, mas na hora de escolher, demonstrou como o ser humano tem o olhar diferente do olhar divino: “E sucedeu que, entrando eles, viu a Eliabe, e disse: Certamente está perante o Senhor o seu ungido” (1 Samuel 16:6). Samuel apenas viu a Eliabe e já pensou que ele era o escolhido de Deus. Mas Deus não havia escolhido Eliabe: “Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração”(1 Samuel 16:7). Nosso olhar é terrivelmente falho, assim como fora o de Samuel. Julgamos pela aparência, pela roupa, pelo corte de cabelo, pelo sorriso ou pela seriedade... Somos pobres coitados! Devemos aprender com Deus: “o Senhor olha para o coração”.

O olhar humano fica preso às aflições do presente, enquanto o olhar divino contempla a glória futura. Conheço uma pessoa que só sabe falar de problemas, mais nada. Você conhece alguém assim? Sinceramente, isso não é nada legal, mas faz parte da natureza humana, do olhar que o ser humano tem da vida. Já percebeu que as pessoas dão muito valor aos problemas e se esquecem de comemorar as vitórias? Pequenos problemas são transformados em gigantes, vitórias são um nada. É o olhar humano, mas o olhar humano sem Deus. Quando o homem deixa Deus entrar na sua vida, o olhar divino começa a aparecer e, quanto mais forte for a presença de Deus, mais o homem vai poder dizer assim: “Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada” (Romanos 8:18). Foi o apóstolo Paulo que disse isso e ele sabia muito bem do que estava falando. Paulo teve uma grande experiência de conversão e, depois daquela experiência, ele nunca mais foi o mesmo. Tornou-se um grande pregador do evangelho, tinha intimidade com Deus e falou de algo que vivia. Ele olhava para o futuro e não para as aflições do tempo em que ele vivia. O apóstolo sabia que o futuro, na glória, com Deus, seria algo infinitamente melhor do que seus momentos de aflição. Que tal pararmos de dar tanto valor aos problemas e pensar na eternidade com Deus? “Só vai ser alegria!”.

O olhar humano vê os inimigos, enquanto o olhar divino vê a proteção de Deus. Gosto muito do exemplo da diferença de visão entre Eliseu e o servo dele. O rei da Síria mandou exércitos atrás de Eliseu e isso deixou seu servo apavorado: “E o servo do homem de Deus se levantou muito cedo e saiu, e eis que um exército tinha cercado a cidade com cavalos e carros; então o seu servo lhe disse: Ai, meu senhor! Que faremos?” (2 Reis 6:15). O servo de Eliseu só enxergava com o olhar humano, mas Eliseu não. Veja: “E ele disse: Não temas; porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles. E orou Eliseu, e disse: Senhor, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o Senhor abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu” (2 Reis 6:16,17). Eliseu era um homem cheio do Espírito, via com a visão da fé e com olhar divino, já que Deus estava com ele. O profeta via a proteção de Deus, via os cavalos e carros de fogo, mas seu servo não podia ver, pois só possuía o olhar humano. O profeta Eliseu estava tranquilo, seu servo estava com muito medo. Temos que parar de olhar com o olhar humano e enxergar com os olhos de Deus. Se fizermos isso, ficaremos em paz, pois estaremos confiantes na proteção que vem do Senhor.

O olhar humano quer impedir as pessoas de se aproximarem de Deus, enquanto o olhar divino quer a aproximação das pessoas. Qual é nosso problema? Estamos entendendo tudo errado. Deus quer a aproximação das pessoas e nós queremos afastá-las? Se você age dessa forma, tenho uma palavra de consolo: os discípulos fizeram a mesma coisa. Veja: “E traziam-lhe meninos para que lhes tocasse, mas os discípulos repreendiam aos que lhos traziam” (Marcos 10:13). É importante ressaltar que Jesus não gostou nada dessa atitude. Não restam dúvidas: “...o Senhor não vê como vê o homem...” (1 Samuel 16.7). Talvez não estejamos impedindo da mesma maneira que os discípulos, mas de outras formas. Aliás, o comportamento mundano de muitos cristãos tem afastado as pessoas do Senhor, embora nossa missão seja trazê-las para perto do Mestre. Jesus logo interferiu naquela situação: “Jesus, porém, vendo isto, indignou-se, e disse-lhes: Deixai vir os meninos a mim, e não os impeçais; porque dos tais é o reino de Deus” (Marcos 10:14). Crianças, adolescentes, jovens, adultos, anciãos, homens, mulheres, o Senhor quer a aproximação de todos. Não vamos impedir isso, vamos? Temos de ser pontes que liguem as pessoas a Deus.

Que a oração de cada um possa ser assim: “Senhor, quero ver com o teu olhar e não com o meu. Ajuda-me! Em nome de Jesus, amém!”.

 

Wanderson Miranda de Almeida.