© 2016 por Wanderson Miranda de Almeida. Proudly created with WIX.COM

Um filho que dá prazer a Deus

 

“E ouviu-se uma voz dos céus, que dizia: Tu és o meu Filho amado em quem me comprazo”

(Mc 1.11)

 

Quando leio o texto acima, penso até que ponto tenho dado prazer a Deus. Quando Jesus saiu das águas, Deus disse que tinha prazer nele; e em mim?

Por ser muito consciente dos meus atos, sei quando erro, quando peco, e isso não me deixa nada feliz, pois quero agradar a Deus. Na semana que findou, agora mesmo, teve uma colega de trabalho que disse que achava estranho quando eu falava de “uma certa maneira” – eu havia dito alguma coisa de uma forma que não é muito legal para um cristão dizer. Pensando no que ela disse, cheguei à conclusão de que realmente eu não deveria ter falado daquele jeito – um jeito que eu não vou esclarecer aqui.

Ainda analisando outras situações que acontecem a minha volta, sei que tenho que tomar muito cuidado com minha fala, minha postura, minhas brincadeiras, porque sou cristão, e tudo que um cristão de verdade quer é agradar ao Pai.

Muitos não ligam para o que Deus quer. Estranho, não é? Como digo que sou cristão e não me importo com o que Deus quer? Não faz sentido! Jesus, nosso maior exemplo, disse que sua comida era fazer a vontade do Pai. Quando estava prestes a morrer por nós, disse a famosa frase: “Pai, se for possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como Tu queres”. Tudo tem de ser como o Senhor quer, não como eu quero. Isso engloba toda a minha vida.

Enquanto o ser humano estiver voltado para dentro de si, não entenderá o que estou dizendo aqui. Mas, a partir do momento que se desligar da sua vontade para seguir a vontade de Senhor, talvez poderá, um dia, ser um filho que dá prazer a Deus.

 

Leia também : O Reino de Deus em primeiro lugar

Wanderson Miranda de Almeida, 15 de setembro de 2019.